últimas resenhas

23 abril 2019

Ensaio Sobre a Cegueira, de José Saramago (#54)

| | 0 comentários
Título original: Ensaio Sobre a Cegueira
Autor: José Saramago
Editora: Companhia das Letras
Tradução: --
Páginas: 312
Para saber mais: Skoob
COMPRAR
Sinopse: Uma cidade é devastada por uma epidemia instantânea de "cegueira branca". Face a este surto misterioso, os primeiros indivíduos a serem infectados são colocados pelas autoridades governamentais em quarentena, num hospital abandonado. Cada dia que passa aparecem mais pacientes, e esta recém-criada "sociedade de cegos" entra em colapso. Tudo piora quando um grupo de criminosos, mais poderoso fisicamente, se sobrepõe aos fracos, racionando-lhes a comida e cometendo atos horríveis. Há, porém, uma testemunha ocular a este pesadelo: uma mulher, cuja visão não foi afetada por esta praga, que acompanha o seu marido cego para o asilo. Ali, mantendo o seu segredo, ela guia sete desconhecidos que se tornam, na sua essência, numa família. A viagem destes é plena de perigos, mas a mulher guia-os numa luta contra os piores desejos e fraquezas da raça humana, abrindo-lhes a porta para um novo mundo de esperança, onde a sua sobrevivência e redenção final refletem a tenacidade do espírito humano.



E se nós fôssemos todos cegos?
É a partir dessa ideia que Saramago escreve sua história.

Num dia comum, um cidadão espera o semáforo abrir para que possa continuar seu trajeto e eis então que ele cega, de um momento para o outro, sem nenhuma explicação. Carros começaram a buzinar e há uma grande comoção com as pessoas curiosas que vão acudir o novo cego. Mas há ainda outro fator estranho, se é que é possível ser mais estranho. A cegueira daquele homem não é aquela cegueira comum que conhecemos, ela é branca, como se aquele homem estivesse mergulhado em um mar de leite.

A partir disso uma série de eventos vão sendo narrados e vemos outras pessoas cegando, uma delas o oftalmologista que atendeu aquele primeiro cego e que ficou sem entender de onde essa cegueira tinha vindo já que não havia nenhum dano orgânico que explicasse tal coisa. Com isso temos a impressão de que essa cegueira, por algum motivo, é contagiosa. Assustados, o governo então decide colocar esses cegos, assim como aqueles que tiveram contato com eles, em um sanatório abandonado em uma espécie de quarentena até que eles tenham conhecimento da tal cegueira.

Mas o que parecia uma boa ideia no início, vai se tornando um verdadeiro inferno. Porque afinal, algo de bom poderia sair ao colocar em um local fechado e desconhecido várias pessoas que não conhecem umas as outras e que estão no desespero de estarem cegas e não saberem viver com aquilo? Sem contar que o desespero não são apenas deles, mas de todo mundo do lado de fora também como podemos ver com os soldados que ficam guardando o local. O medo de cegarem também os fazem agir de forma desumana.

"...mas quando a aflição aperta, quando o corpo se nos demanda de dor e angústia, então é que se vê o animalzinho que somos."

O que Saramago aborda em seu livro é como nós seres humanos que aparentemente somos tão inteligentes, não usamos essa capacidade de pensar para o bem. É preciso só uma pequena brecha para que nós nos mostremos como realmente somos. Animais. Animais sádicos que não ligam realmente com o próximo. Como ele abordou em uma entrevista, a nossa própria história nos mostra como só fazemos o mal. Guerras e guerras e conflitos em toda parte do mundo, ainda hoje encontramos isso. Parece que não temos um momento de paz nesse tempo em que estamos vivendo em sociedade.

"O medo cega, disse a rapariga de óculos escuros, São palavras certas, já éramos cegos no momento em que cegamos, o medo nos cegou, o medo nos fará continuar cegos."

Mas não é só isso que notamos em "Ensaio Sobre a Cegueira", a história é uma analogia sobre como nós não enxergamos aquilo que está bem na nossa cara. Quem sabe essa cegueira não foi uma tipo de teste necessário para que naquela realidade as pessoas conseguissem finalmente abrir os olhos? Mas é interessante pensar nisso quando há uma única pessoa no meio daquele caos que não cegou, o que inclusive refuta a teoria da cegueira ser contagiosa.

Essa mulher é a esposa do oftalmologista que decide se fingir de cega no momento em que seu marido é levado para a quarentena, para que assim pudesse lhe fazer companhia. Ninguém além do marido sabe que ela enxerga mas sua vida não é mais fácil por ter visão, justamente por ainda ver ela é obrigada a presenciar os horrores que acontecem ali, desde violência até a regressão do homem a selvageria. 

"Penso que não cegamos, penso que estamos cegos, Cegos que veem, Cegos que, vendo, não veem."
Penso que a mulher do médico é a representação de que não se torna mais fácil ter esses olhos abertos, enxergar o que está em nossa frente. É difícil, é extremamente difícil manter a fé de que há outras alternativas quando você tem plena consciência de como as coisas funcionam, fora da ilusão que somos mergulhados desde pequenos. Ver a verdade dói, é por isso que somos cegos e por isso que permanecemos cegos.

"Ensaio Sobre a Cegueira" não é um livro fácil, demorei para ler e demorei mais ainda para finalizar esse texto. Ele é angustiante, doloroso e nos mostra que no fim somos apenas animais assustados.

03 setembro 2018

Crepúsculo, de Stephenie Meyer (#53)

| | 4 comentários
Título original: Twilight
Série: Saga Crepúsculo #1
Autora: Stephenie Meyer 
Editora: Intrínseca
Ano: 2008
Páginas: 416
Para saber mais: Goodread
COMPRAR
Sinopse: Quando Isabella Swan se muda para a melancólica cidade de Forks e conhece o misterioso e atraente Edward Cullen, sua vida dá uma guinada emocionante e apavorante. Com corpo de atleta, olhos dourados, voz hipnótica e dons sobrenaturais, Edward é ao mesmo tempo irresistível e impenetrável. Até então, ele tem conseguido ocultar sua verdadeira identidade, mas Bella está decidida a descobrir seu segredo sombrio.

27 agosto 2018

Umbrella Academy: Suíte do Apocalipse, de Gerard Way e Gabriel Bá (#52)

| | 0 comentários
Título original: Apocalypse Suite #s1-6
Série: Umbrella Academy #1
Autor: Gerard Way e Gabriel Bá
Editora: Devir
Ano: 2009
Páginas: 192
Para saber mais: Goodreads
COMPRAR
Sinopse: Em um inexplicável evento, quarenta e três crianças foram geradas espontaneamente por mulheres que não apresentavam sinais de gravidez. Sete dessas crianças foram adotadas por Sir Reginald Hargreeves e formaram a Umbrella Academy, uma família disfuncional de super-heróis com poderes bizarros. Em sua primeira aventura, essas crianças enfrentam uma enlouquecida Torre Eiffel. Quase uma década depois, a equipe se separa, mas esses irmãos desiludidos se reúnem bem a tempo de salvar o mundo outra vez.

20 agosto 2018

O Adulto, de Gillian Flynn (#51)

| | 0 comentários
Título original: The Grownup
Autora: Gillian Flynn
Editora: Intrínseca
Ano: 2016
Páginas: 64
Para saber mais: Skoob
COMPRAR
Sinopse: Uma jovem ganha a vida praticando pequenas fraudes. Seu principal talento é a capacidade de dizer às pessoas exatamente o que elas querem ouvir, e sua mais recente ocupação consiste em se passar por vidente, oferecendo o serviço de leitura de aura para donas de casa ricas e tristes. Certo dia, ela atende Susan Burkes, que se mudou há pouco tempo para a cidade com o marido, o filho pequeno e o enteado adolescente. Experiente observadora do comportamento humano, a falsa sensitiva logo enxerga em Susan uma mulher desesperada por injetar um pouco de emoção em sua vida monótona e planeja tirar vantagem da situação. No entanto, quando visita a impressionante mansão dos Burke, que Susan acredita ser a causa de seus problemas, e se depara com acontecimentos aterrorizantes, a jovem se convence de que há algo tenebroso à espreita. Agora, ela precisa descobrir onde o mal se esconde, e como escapar dele. Se é que há alguma chance. 

13 agosto 2018

Menina Má, de William March (#50)

| | 0 comentários
Título Original: The Bad Seed
Autor: William March
Editora: DarkSide Books
Ano: 2016
Páginas: 272
Para saber mais: Skoob
COMPRAR
Sinopse: Quando nasce a maldade? Nascemos todos inocentes e somos corrompidos pelo mundo à nossa volta? Ou será a maldade uma espécie de semente que carregamos dentro de nós, capaz de brotar mesmo na mais adorável das crianças? Rhoda, a pequena malvada do título, é uma linda garotinha de 8 anos de idade. Mas quem vê a carinha de anjo, não suspeita do que ela é capaz. Seria ela a responsável pela morte de um coleguinha da escola? A indiferença da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine consegue desvendar segredos terríveis sobre sua filha, e sobre o seu próprio passado também.